Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

sábado, 19 de janeiro de 2013

Reflexão para o Tempo da Epifania - Modelo de Filho


Por Dom Fernando Arêas Rifan *
      
Uma das “Epifanias” ou manifestações divinas, que celebramos no domingo passado, aconteceu no Batismo de Jesus, com a descida, sobre Ele, do Divino Espírito Santo, em forma de pomba, e a voz do Pai Eterno, apontando-o como seu filho amado e predileto. Jesus se manifestava assim de modo especial aos judeus, como se tinha manifestado a todos em geral, especialmente aos povos gentios, na pessoa dos Magos.No Batismo de penitência, dado por João Batista, Jesus se iguala aos pecadores, para nos dar exemplo de humildade.


 “A Palavra de Deus, que por amor assumiu a fragilidade e as contradições da condição humana, quis descer até o fundo dessa situação assumindo sobre si até o pecado, para reconciliar todos e tudo com Deus (cf. Cl 1,20), dando início em si mesmo ao retorno do mundo à ordem e à paz original na submissão perfeita a Deus.


 “Aquele que não conhecera o pecado, Deus o fez pecado por causa de nós, a fim de que, por ele, nos tornemos justiça de Deus” (2 Cr 5,21). ‘Nas águas é lavado/ o celestial cordeiro; / O que não tem pecado / nos lava em si primeiro’. O mergulhar de Jesus nas águas do rio Jordão desenvolve o processo da sua descida na carne (Natal) e antecipa a sua conclusão no ‘batismo’ da sua Paixão e Morte (Páscoa) (cf. Mc 10, 39), com a descida aos infernos, onde o crucificado, que deu sua própria vida por amor, chama novamente Adão e Eva, as raízes simbólicas da existência humana, à vida nova dos resgatados como filhos e filhas de Deus. “Depois de ser batizado, Jesus saiu logo da água”. Com ele é o mundo inteiro que sai das obscuridades do pecado e inicia um novo caminho” (Dom Emanuele Bargellini).   


O Batismo dado por João Batista era um ritual de penitência, não um sacramento, esse instituído depois por Nosso Senhor. Mas essa comemoração é uma ocasião para refletirmos no nosso Batismo, o primeiro sacramento que recebemos, pelo qual nos tornamos filhos de Deus, por adoção, e membros da Igreja, incorporados ao Corpo Místico de Cristo, recebendo assim a graça santificante, que nos eleva à ordem sobrenatural, tornando-nos participantes da natureza divina. Foi algo importantíssimo que marcou definitivamente a nossa vida como cristãos.             


Mas, infelizmente, muitos cristãos só ficam no seu Batismo, não vivem mais na graça recebida nem a desenvolvem, não são coerentes com o seu cristianismo. Como disse o Papa Bento XVI, “há muitos que são batizados, mas não suficientemente evangelizados” (Verbum Domini, 96). Falta, além do Batismo, a necessária conversão, ou seja, uma vida coerente com o Batismo recebido. A consequência foi bem lembrada no Documento de Aparecida (12): “Não resistiria aos embates do tempo uma fé católica reduzida a uma bagagem, a um elenco de normas e proibições, a práticas de devoção fragmentadas, a adesões seletivas e parciais das verdades da Fé, a uma participação ocasional em alguns sacramentos, a moralismos brandos ou crispados que não convertem a vida dos batizados... A todos nos toca recomeçar a partir de Cristo”. Jesus, saindo das águas do Batismo, é o modelo para a nossa conversão.          
Dom Fernando Arêas Rifan
www.adapostolica.org

*Bispo da Administração Apostólica Pessoal                                                                      
 São João Maria Vianney

veja também...
Sermão da Epifania - São Jose Maria Escrivá  - clique aqui

look also at
Epiphany Sermon Saint Jose Mary Escriva - click here

Tags : Epifania, Sagrada Familia, Oitava do Natal, Jesus Maria e José



Nenhum comentário:

Deixe aqui o seu Comentário